Contrato de viagem

Condições de venda

FONTES LEGISLATIVAS

A venda de pacotes turísticos que tenham por objeto os serviços a serem prestados nacional e internacionalmente é regida por:

  • dos artigos 32 a 51 novies do Decreto Legislativo de 23 de maio de 2011, n. 79 (“Código do Turismo”);
  • pelas disposições do Decreto Legislativo 6 de setembro de 2005, n. 206 (“Código do Consumidor”), conforme compatível;
  • até a sua revogação, e conforme aplicável, pelo disposto na Lei nº. 1084/1977 de ratificação e execução da Convenção Internacional sobre o Contrato de Viagem (CCV) assinada em Bruxelas em 23.04.1970;
  • pelas disposições do código civil sobre transporte e mandato, conforme aplicável.
    As disposições a que se refere o Título VI, Capítulo I, do Decreto Legislativo nº. 79/2011 não se aplica a:
    a) pacotes e serviços turísticos relacionados com duração inferior a 24 horas, exceto se pernoite;
    b) As viagens organizadas e conexas adquiridas ao abrigo de um acordo geral para a organização de viagens de natureza profissional celebrado entre um profissional e outra pessoa singular ou colectiva que actue no âmbito da sua actividade comercial, empresarial, artesanal ou profissional.

DEFINIÇÃO "pacote turístico"

De acordo com o Artigo 33 do Decreto Legislativo no. 79/2011, o pacote turístico consiste na combinação de, pelo menos, dois tipos diferentes de serviços turísticos - para efeitos da mesma viagem ou das mesmas férias

A RESERVA

O viajante, com aviso prévio em suporte durável, no máximo sete dias antes do início da encomenda para DOLOMITES HOLIDAYS na agência ou por e-mail. A aceitação da reserva só será considerada válida se a confirmação for imediatamente seguida de um depósito equivalente a 30% do valor total. O saldo deve ser recebido o mais tardar Dia 15 antes da partida. Para reservas feitas em Dia 14 a partir da data de partida, o saldo deve ser pago no mesmo momento da reserva.
Caso o depósito ou o saldo não sejam recebidos no prazo acordado, a DOLOMITES HOLIDAYS reserva-se o direito de cancelar a reserva se necessário. Todos os preços incluem percentagens de serviço e IVA. No caso de acréscimos das mesmas, as cotas serão ajustadas às variações.

ALTERAÇÕES SOLICITADAS PELO CLIENTE

Alterações nas reservas já aceitas obrigam o Organizador apenas na medida em que possam ser satisfeitas. Em qualquer caso, o pedido de modificação envolve a cobrança ao Cliente dos custos mais elevados incorridos. A redução de número considerável de participantes dentro de um grupo será considerada cancelamento parcial, estando sujeita às penalidades indicadas no art. Cancelamento.

ALTERAÇÕES EXIGIDAS PELO CLIENTE APÓS SUA CHEGADA AO HOTEL

A partida antecipada em relação à data de partida acordada será cobrada para toda a estadia.

ALTERAÇÕES APÓS A PARTIDA

Se após a partida o organizador não puder prestar uma parte essencial dos serviços previstos no contrato, providenciará soluções alternativas, sem complementos de preço, ou, se os serviços prestados forem de valor inferior aos prestados, devolverá a diferença ao cliente .

OBRIGAÇÕES DOS PARTICIPANTES

Os participantes devem ter passaporte individual ou outro documento válido para todos os países abrangidos pelo itinerário, bem como vistos de residência e trânsito e certificados de saúde que possam ser exigidos. Devem cumprir as regras de normal prudência e diligência e todas as informações prestadas pela Organizadora, bem como os regulamentos e disposições administrativas ou legislativas relativas ao pacote turístico. Os participantes serão responsabilizados pelos danos causados ​​pelo descumprimento das obrigações acima mencionadas. O Cliente é obrigado a fornecer ao Organizador todos os documentos, informações e elementos em sua posse úteis para o exercício do direito de sub-rogação contra terceiros responsáveis ​​pelos danos e é responsável perante o Organizador por qualquer dano causado ao direito de sub-rogação.

CANCELAMENTO

O viajante pode rescindir o contrato a qualquer momento antes do início do pacote turístico, mediante reembolso ao organizador das despesas realizadas.
O contrato de viagem organizada pode prever custos padrão de rescisão, calculados com base no momento da rescisão do contrato.

30% da taxa de participação para desistência até 30 dias da data de saída;
50% da taxa de participação para desistência até 20 dias da data de saída;
75% da taxa de participação para desistência até 10 dias da data de saída;
Nenhum reembolso será feito após este prazo.

Em caso de circunstâncias inevitáveis ​​e extraordinárias (terremotos, desastres naturais, atos de terrorismo, pandemias) que ocorram no local de destino ou nas suas imediações e que tenham um impacto substancial na execução da encomenda ou no transporte de passageiros para No destino, o viajante tem o direito de rescindir o contrato, antes do início da viagem organizada, sem pagar as despesas de rescisão, e ao reembolso total dos pagamentos efetuados, mas não tem direito a indenização adicional.

No caso de compra de passeios de um dia, se a mesma não for utilizada, nenhum reembolso será feito.

SUBSTITUIÇÕES E MUDANÇA DE PRÁTICA

O cliente renunciante pode ser substituído por outra pessoa desde que:
a) o organizador seja informado por escrito pelo menos 7 dias úteis antes da data prevista para a partida, recebendo ao mesmo tempo a comunicação dos dados pessoais do cessionário; b) o substituto reúna todas as condições de utilização do serviço (artigo 39.º do Código do Turismo) e, nomeadamente, os requisitos relativos ao passaporte, visto, certificado sanitário; c) O cessionário reembolsa ao organizador todas as despesas incorridas para proceder à substituição no montante de € 50. O cedente e o cessionário são também solidariamente responsáveis ​​pelo pagamento do saldo do preço e dos montantes referidos na alínea c) deste artigo de carta. Em relação a alguns tipos de serviços, pode ocorrer que um terceiro prestador de serviços não aceite a alteração do nome do cessionário, ainda que no prazo referido na alínea a) anterior. O organizador, portanto, não será responsável por qualquer não aceitação da modificação por parte de terceiros prestadores de serviços. Esta não aceitação será prontamente comunicada pela organizadora aos interessados ​​antes da partida. O cliente pode ainda solicitar a transferência para outro feriado ou para outra data, desde que tal seja comunicado à organização pelo menos 4 semanas antes do feriado originalmente reservado e mediante o pagamento de uma taxa de câmbio de € 50 por pessoa.

RECLAMAÇÕES E RECLAMAÇÕES

Qualquer incumprimento na execução do contrato deve ser contestado pelo consumidor sem demora, para que o organizador, o seu representante local ou o guia o possam remediar prontamente. O consumidor deve, sob pena de caducidade, reclamar através do envio de carta registada com aviso de recepção, ao organizador ou ao vendedor, o mais tardar 10 dias úteis a contar da data de regresso ao local de partida.

REGIME DE RESPONSABILIDADE

A entidade organizadora é responsável pelos danos causados ​​ao turista pelo incumprimento total ou parcial dos serviços contratualmente devidos, sejam eles prestados por ele pessoalmente ou por terceiros prestadores de serviços, a menos que comprove que o evento decorre do fato de o turista (incluindo as iniciativas por este tomadas autonomamente no decurso da execução dos serviços turísticos) ou por facto de terceiro de natureza imprevisível ou inevitável, por circunstâncias alheias à prestação dos serviços previstos no contrato , por eventual força maior, ou por circunstâncias que o próprio organizador não pudesse razoavelmente prever ou resolver, segundo diligência profissional.

DEVER DE ASSISTÊNCIA

O organizador é obrigado a prestar assistência ao turista de acordo com o critério da diligência profissional com referência exclusiva às obrigações a serem assumidas por lei ou contrato. O organizador e o intermediário ficam exonerados das respetivas responsabilidades (artigos 15 e 16 destas Condições Gerais), quando o incumprimento ou execução incorreta do contrato for imputável ao turista ou tiver dependido do facto de terceiro imprevisível ou inevitável ou foi causado por um evento fortuito ou força maior.

SEGURO

Para garantir o exato desempenho da atividade conforme estabelecido na LR 33/2002, o WILD na DOLOMITI estipulou uma Apólice de Seguro RC Profissional específica n. 166603804 da empresa UNIPOLSAI de Roma.

FUNDO DE GARANTIA

A DOLOMITES HOLIDAYS está inscrita na garantia de insolvência ou falência www.nobis.it com sede em Borgata Torinese 10071 (TO) - Certificado / apólice n. 6006002438 / U para efeito do disposto no art. 47 parágrafos 3 e 49, Decreto Legislativo 79/2011 e ss. milímetros.

RESOLUÇÃO DE DISPUTAS

Em conformidade com o disposto no artigo 67, parágrafo 2º, do Decreto Legislativo nº. 79/2011, o turista tem o direito de recorrer aos procedimentos de negociação voluntária ou conjunta ou ao procedimento de conciliação perante as comissões arbitrais ou conciliatórias para a resolução de litígios entre empresas e consumidores e utilizadores relativos à prestação de serviços turísticos, estabelecidos nos termos do art. 2o, parágrafo 4o, alínea a) da Lei no. 580/1993.
No processo de conciliação, os turistas têm o direito de recorrer a associações de consumidores. Este procedimento de conciliação é regido pelos artigos 140º e 141º do Decreto Legislativo nº. 206/2005.

LEI APLICÁVEL E JURISDIÇÃO

A lei italiana aplica-se a estas Condições Gerais, exceto conforme previsto nas regras obrigatórias para a proteção do viajante e do consumidor.
Em caso de litígio entre as partes, o tribunal competente será o da residência do consumidor, se estiver na Itália; caso contrário, a JURISDIÇÃO DA BELLUNO será exclusivamente competente.
Os roteiros podem sofrer variações por motivos técnicos e operacionais não previsíveis no momento da programação. Algumas visitas podem ser revertidas ou canceladas, tentaremos, na medida do possível, manter os programas e serviços planejados inalterados.
Por razões técnicas e organizacionais, algumas viagens podem estar sujeitas a alterações de data.

COMUNICAÇÃO OBRIGATÓRIA

Nos termos do artigo 16 da lei 269 de 03-08-1998, “a lei italiana pune os crimes relacionados com a prostituição e a pornografia com pena de prisão”.

topo